Este foi o segundo artigo recebido por nós no âmbito do concurso que temos em aberto até ao final do ano. Consulta as condições da participação aqui.

 Aretino Mota - Impressões acerca da Maratona de Lisboa

 

 Posso definir a maratona de Lisboa em duas etapas.

 

 A 1ª fase, o treino, que englobei como uma pré-época, visto ter começado em meados de julho, praticamente uma semana após o fim do torneio das localidades em Oeiras, no qual terminei em 1º lugar no escalão M50.

 Foi uma fase bastante agradável, com variadíssimos treinos longos e com um bom conjunto de amigos. Inicialmente, os treinos começaram muito lentos, devido aos diversos andamentos dos diferentes grupos etários mas, com o passar das semanas, foram aumentando de intensidade. Ainda houve uma parte dos treinos na mata de Monsanto, onde foram realizados vários treinos fracionados.

 Nesta fase posso adiantar que faltaram alguns treinos de ritmo ao nível do andamento da maratona, mas ficou registado! Todo o trabalho na preparação da maratona deu frutos, principalmente ao atleta novato em maratonas, mas muito trabalhador e muito combativo, pois nunca negou qualquer tipo de treino, seja series ou rampas, foi sempre à luta.

 Estou a falar do amigo Almiro Feijão, pois agendou para 3h15m e fez 3h18m, portanto ficou praticamente dentro do desejável para a 1ª maratona.

 A 2ª fase, o momento da maratona, a prova em si... não correu como o desejado pois pensava entrar na casa das 2h50m, fiquei aquém... com as 2h58m…

O que terá corrido menos bem?! Como já mencionei, não ter feito treinos de alguma qualidade pode ser uma das razões, isso acredito. Outra influência, mas que não serve de desculpa, foi o fator da hora da partida, 10h05m! É verdade, a maioria dos atletas contestaram essa hora, ainda por cima a temperatura não ajudou nada, pois fez bastante calor, o que levou a uma maior desidratação.

Sobre a prova, até foi passada de forma bastante agradável, com um ritmo certo, acompanhada de um bom grupo, o Luís Candeias do Átibao Luciano da Odimarq e o Zé Figueiras do Vieirensepor sinal, excelente amigo e da minha terra (Pataias),  mas os primeiros 20 quilómetros foram bastante enganadores. Apesar de terem sido corridos de uma maneira agradável, as ligeiras subidas, penso que foram letais para a maioria dos atletas que almejaram tempos de alguma qualidade, mas confirmou-se o contrário.

Falar no piso, empedrado, claro que é mau, porém não serve de desculpa, o gel aos 32 quilómetros, estava quente! É mau, mas com a experiência que a maioria dos atletas tem, não era esse o problema. Agora, é verdade, o muro das lamentações existe , aí por volta dos 32 quilómetros, no meu caso, a perna direita bloqueou! Não havia dor de burro, nem cãibras, mas que doeu, doeu…

 No final foi só gerir, com o amigo Miranda a fazer um excelente trabalho de entreajuda, dando-me água e um excelente ânimo até ao fim.

 

 Por conseguinte, foi mais uma experiência. Aprendi com alguns erros cometidos nos treinos. Para se fazer uma boa maratona com qualidade, é preciso fazer pelo menos uma ou duas meias maratonas com ritmo, umas repetições mais longas e não cometer lapsos ou erros durante a prova, pois sei que esses serão pagos mais tarde.

 Fazer provas um mês antes, e ao mesmo tempo, aproveitar essas provas para fazer treinos mais longos, não dá bom resultado. No final, o mesmo foi observado pela maioria dos atletas ou parte deles, que no fim, ficaram bem empenados e com carradas de cãibras...Será que estavam todos mal preparados?!!! ou foi da má alimentação, do sol, etc..? Seja o que for, agora só nos resta restabelecer, levantar o ânimo, e anotar o que correu mal nos treinos adquiridos no verão.

Também foi um teste à nossa tenacidade e perseverança, à garra, à vontade de treinar, principalmente naqueles dias de calor, em que o que mais apetecia, era estar na praia! Naqueles dias quentes, com temperaturas acima da média, foi de enaltecer o excelente grupo “o da mata de Queluz” pela força de vontade demonstrada. Em relação ao grupo, apesar de por vezes andar desmembrado, pois existiu alguma competitividade salutar entre nós, está de parabéns, pois todos fizeram excelentes tempos, tendo em conta,claro , as condições desfavoráveis à feitura da maratona num dia extremamente quente e a horas inoportunas.

Mas isto ficou gravado, espera-se que os organizadores numa próxima edição tenham em atenção o que se passou.

É muito bonito organizar diversas provas num fim-de-semana em que a maioria ocorre em simultâneo, mas a organização não é fácil. Claro que se ganhou muito dinheiro! Mas foi à custa dos atletas que fazem a festa e pagaram bem; saíram de lá felizes, prontos para novas aventuras e também com um andar bem novinho!

Agora os responsáveis deviam refletir e da próxima em vez, deviam pensar igualmente no bem estar dos atletas e ao mesmo tempo projetarem o nome da nossa linda cidade de Lisboa além fronteiras.

Para finalizar, não consigo perceber como é que a organização dá prémios monetários aos escalões veteranos na meia maratona e na maratona zero!

Alguém consegue explicar? É difícil? Pelo menos sigam o exemplo da invicta ”Porto”, que aos atletas veteranos dá prémios para os cinco primeiros de cada escalão! Mas valeu o esforço dos atletas, a organização também esteve bem, mas pode melhorar em pequenos aspetos.

 

 

Provas disponíveis 

(km)< 2142> 42Total
Portugal 629 4 115 748
USA 0 376 0 376
Brasil 62 0 0 62
Canadá 0 56 0 56
Outros 0 51 0 51

Número total 1293 provas disponíveis

Google+